Claritas Global High Yield

ESTRATÉGIA – Fundo de investimento no exterior com estratégia de Crédito High Yield Global

2019

O fundo obteve um retorno de 1,61% (427% CDI) em dezembro. Em 2019, acumula alta de 14,47% (242% CDI).

O mês foi marcado por forte desvalorização do dólar (4,82%). Pesquisas de empresas de manufatura em todo o mundo estão com modestas tendências de alta, o que indicando melhores resultados. A confiança do empresariado parece ter atingido um fundo, os estoques estão encolhendo e a produção industrial está retomando. Continuamos aderindo ao nosso processo disciplinado de investimento fundamentalista e focamos na compra de emissores com aprimoramento dos fundamentos e necessidades limitadas de refinanciamento. Do ponto de vista do rating, os títulos classificados pelo BB tiveram um desempenho significativamente superior em 2019, pois a categoria de rating tem a maior correlação com a queda das taxas globais e dos investidores aversão ao risco, enquanto a categoria de classificação CCC ficou significativamente abaixo do mercado geral, com uma grande dispersão nos retornos entre os nomes da categoria.

CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro

O fundo obteve um retorno de 0,18% (37% CDI) em outubro. Em 2019, acumula alta de 11,99% (232% CDI).

O mês foi marcado por desvalorização do dólar com movimento de risk on global. O FED cortou novamente a taxa de juros em linha com as expectativas, sinalizando manutenção dos juros adiante e monitorando os próximos dados. O relacionamento EUA-China segue em destaque, com a primeira fase do acordo sendo concluída, além de desdobramentos positivos para o Brexit. No entanto, acreditamos que o maior risco de recessão seja a deterioração dos lucros corporativos. De qualquer forma, os fundamentos de crédito permanecem sólidos, favorecendo o mercado de High Yield. Embora do ponto de vista da receita e de crescimento de EBTDA, tenha ocorrido moderação, o nível de alavancagem modesto e é um mitigador de risco. Neste contexto, a seleção de emissores por meio de um processo de investimento disciplinado é fundamental. Mantemos foco na compra de emissores com aprimoramento dos fundamentos e necessidades limitadas de refinanciamento. Para gerenciamento do risco de recessão e para mitigar os efeitos das flutuações de crescimento econômico, estamos limitando a exposição a indústrias cíclicas. Continuamos a ver o maior valor em ppéis classificados como “Single B”.

CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro

O Claritas High Yield apresentou resultado de 0,11% no mês (23% CDI). No ano, 11,80% (253% do CDI).

Os títulos de 10 anos do tesouro dos EUA encerraram o mês em queda em comparação com o início do ano. A queda recorrente dos títulos públicos demonstra que o mercado precifica uma maior probabilidade de recessão. O crescimento do emprego desacelerou e o lucro das empresas está em queda. As recessões são (usualmente) precedidas por juros restritivo ou por um choque de oferta, como a explosão dos preços do petróleo. Com os bancos centrais bastante flexíveis, é provável que o Fed volte a reduzir os juros e também há a possibilidade de o Banco Central Europeu reduzir juros e reiniciar as compras de títulos. Na ausência de uma grande escalada no conflito comercial EUA/China consideramos pequena a probabilidade de uma recessão no ano que vem. Dados o cenário econômico atual e a possível manutenção da volatilidade atual, mantemos nosso processo de investimento fundamentalista disciplinado, com foco na compra de emissores com melhoria nos fundamentos e necessidades limitadas de refinanciamento. Continuamos a limitar a exposição à setores cíclicos para proteção contra oscilações no crescimento econômico.
CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro

O Claritas High Yield apresentou resultado equivalente a 0,91% no mês, equivalente a 180% do CDI. No ano, o fundo apresenta alta de 11,68% (279% do CDI).

Os títulos de alto rendimento subiram, já que o cenário do banco central continuou moderado, os lucros das empresas foram melhores do que o esperado e os fatores técnicos continuaram a dar sustentação. A combinação de um ligeiro aumento de preços com o carregamento resultou em retorno positivo no mês. Os setores com melhor desempenho foram bancos, seguros e outros financeiros. Em contrapartida, os setores com pior desempenho foram os de energia, eletricidade e indústrias de base. A economia dos Estados Unidos está sólida; no entanto, uma rápida olhada abaixo da superfície mostra que ela está dividida em duas, já que os consumidores estão indo muito bem, mas os produtores enfrentam dificuldades. Projetamos crescimento de 2,0% a 2,5% para a economia dos EUA este ano. Na Europa, os PMIs de serviços e o mercado de trabalho estão resistindo, apesar dos dados industriais fracos. A decisão do Fed de reduzir os juros em 25 bps foi em linha com as expectativas do mercado. As ações não reagiram bem, mas é o mercado de câmbio, via um dólar mais forte, em que se verá a maior parte da decepção. Os bancos centrais se alinharem no afrouxamento da política monetária e o potencial de retomada do crescimento global, ainda que moderado, devem sustentar o mercado de alto rendimento por mais algum tempo. A postura conciliatória dos bancos centrais estimula os investidores de todo o mundo a assumir cada vez mais riscos. Dessa forma, continuamos a seguir nosso processo de investimento disciplinado, nos concentrando em emissores com melhora nos fundamentos e necessidades de refinanciamento limitadas. Continuaremos a limitar a exposição a setores cíclicos para proteção contra as oscilações de final de ciclo e as flutuações nas projeções de crescimento econômico ao longo dos próximos meses
CARTA MENSAL Call Economista Call Macro

O Claritas High Yield apresentou resultado equivalente a 0,97% no mês, equivalente a 172% do CDI. No ano, o fundo apresenta alta de 10,67% (292% do CDI).

O mês foi marcado por um movimento estável no dólar. Houve melhora no apetite a risco, com sinalização de postura mais Dovish dos Bancos Centrais globais, frente à preocupação com uma possível desaceleração mais intensa da atividade global. Apesar de uma falta de sinalização clara a respeito do futuro da taxa de juros americana, o FED reduziu a taxa em 0,25%. Esse movimento favorece o mercado de High Yield, aumentando a atratividade para essa classe de ativo. O afrouxamento monetário do ECB no mês que vem deve rapidamente retrabalhar o viés relativamente agressivo do Fed, colocando-o sob pressão para reduzir ainda mais a taxa.

Além disso, a postura mais Dovish do BoJ e outros Bancos Centrais, como Australia e India, que já cortaram suas taxas de juros, também devem contribuir para pressionar o FED. Os riscos associados ao populismo, a chance crescente de “hard Brexit” e a situação política da Itália também corroboram esse cenário.

Diante deste cenário de maior nebulosidade, um rigoroso processo de seleção de emissores é fundamental para alocação em empresas com melhora de fundamentos e necessidade limitada de refinanciamento. Temos reduzido a exposição à indústrias cíclicas para proteger o portfolio de flutuações no crescimento econômico de curto prazo. Continuamos privilegiando ativos classificados como Single B.
CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro

O Claritas High Yield apresentou resultado equivalente a 2.11% no mês, equivalente a 449% do CDI. No ano, o fundo apresenta alta de 9,61% (312% do CDI).

O mês foi marcado por desvalorização do dólar e melhora no apetite a risco, com sinalização de postura mais Dovish dos Bancos Centrais globais, frente à preocupação com uma possível desaceleração mais intensa da atividade global. O FED sinalizou espaço para cortes nos juros a depender do impacto das incertezas em seu cenário base. Esse movimento deve favorecer o mercado de High Yield. O relacionamento EUA-China segue em destaque com uma nova trégua, possibilitando a retomada das negociações, apesar de grandes divergências e instabilidade. Os títulos High Yield continuam promissores. Apesar do panorama positivo, alguns riscos ainda assombram o mercado: o crescimento global está desacelerando, os estoques estão muito altos e as incertezas do comércio estão prejudicando a confiança das empresas.

De qualquer forma, a recuperação dos dados chineses no primeiro trimestre, o crescimento econômico razoável da Zona do Euro e a melhora dos dados de confiança mostram que uma recuperação pode estar por vir.

Dessa forma, um rigoroso processo de seleção de emissores é fundamental para alocação em empresas com melhora de fundamentos e necessidade limitada de refinanciamento. Temos limitado a exposição a indústrias cíclicas para proteger o portfolio de flutuações no crescimento econômico. Continuamos privilegiando ativos classificados como Single B e reduzindo emissores de setores cíclicos.
CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro

O Claritas High Yield apresentou resultado negativo equivalente a 0.46% no mês. No ano, o fundo apresenta alta de 7,34% (283% do CDI).

O mês foi marcado por forte aversão a risco e valorização do dólar. O FED sinalizou paciência na ata da reunião de maio, classificando os movimentos recentes da inflação como transitórios. A economia americana apresenta fortes dados de crescimento. O relacionamento EUA-China segue em destaque, com deterioração das negociações e piora da guerra comercial, em meio a novos dados negativos para a atividade global.

O mercado de High Yield continua promissor. Apesar do panorama positivo, alguns riscos ainda assombram o mercado e um rigoroso processo de seleção de emissores é fundamental para alocação em empresas com melhora de fundamentos e necessidade limitada de refinanciamento. Continuamos privilegiando ativos classificados como Single B e reduzindo emissores de setores cíclicos.
CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro