Claritas BTG Previdência FIM

ESTRATÉGIA – Previdência Multimercado Livre

2020

O fundo rendeu -0,66% em setembro. No ano, acumula alta de 3,05% (133% CDI).

O mês foi de realização nos ativos globais de risco, com a aproximação das eleições americanas e piora nos casos do Coronavírus. O FED manteve inalterada a taxa de juros, reforçando a mudança no mecanismo de metas de inflação e procurando ampliar o impacto do estímulo nas expectativas, além de manter a postura cautelosa em relação a atividade. No âmbito doméstico os ativos continuaram piorando, com a pressão fiscal, possibilidade de flexibilização no teto dos gastos e grande incerteza sobre o andamento das reformas. O Banco Central manteve uma cautela maior, acompanhando de perto a continuidade do framework fiscal. Realizamos alocações táticas em juros nominais, operando inclinações e compra de inflação implícita com resultado negativo. Em bolsa, seguimos com proteções e posições direcionais dinâmicas, enquanto mantivemos a alocação em cases específicos com contribuição negativa. No book de moedas, realizamos posições em cross do G7/Latam e no Real com resultado positivo.

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro

O fundo rendeu -0,11% em agosto. No ano, acumula alta de 3,73% (176% CDI).

O mês deu continuidade a valorização dos ativos globais de risco, com dados econômicos indicando retomada da atividade e condições financeiras acomodatícias seguindo os estímulos implementados.
Apesar da preocupação com o número de casos do Coronavirus, outros tópicos ganharam destaque com as eleições americanas se aproximando. O FED alterou seu mecanismo de metas de inflação, procurando ampliar o impacto do estímulo nas expectativas, além de manter a postura cautelosa em
relação a atividade. No âmbito doméstico os ativos apresentaram um descolamento relevante devido ao risco fiscal e descontrole nos gastos do governo, com grande incerteza sobre o andamento das reformas e a trajetória irreversível de curto prazo. O Banco Central não fechou a porta para novas flexibilizações, mas indicou cautela maior com a assimetria no balanço de riscos. Encerramos as alocações em juros nominais de curto prazo, operando inclinações e compra de inflação implícita com resultado negativo. Em bolsa, seguimos com proteções e posições direcionais dinâmicas, enquanto mantivemos a alocação em cases específicos que tiveram resultados negativos ao longo do mês . No book de moedas, realizamos posições em cross do G7/Latam e no Real com resultado neutro.

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro

O fundo rendeu 0,29% (153% CDI) em julho. No ano, acumula alta de 3,84% (197% CDI).

O mês foi marcado por valorização dos ativos de risco com dados econômicos surpreendendo positivamente e continuidade dos estímulos globais. Mas o número de casos do Coronavirus segue preocupando, em conjunto de novos atritos entre EUA e China. O FED manteve a postura cautelosa em relação a atividade em sua decisão, com poucas mudanças, sinalizando juros constantes por período prolongado e reforçando o comprometimento com a compra de ativos, medidas de suporte a liquidez e ao crédito. No âmbito doméstico os ativos acompanharam o movimento externo com a economia
passando por um processo de reabertura e retomada da atividade, enquanto as reformas retornaram a pauta no cenário político. A surpresa com os dados de inflação levou a precificação de um corte adicional na próxima reunião do Banco Central. Mantivemos alocações em juros nominais de curto prazo e substituímos os juros reais por nominais intermediários com resultado positivo. Em bolsa, seguimos com proteções e posições direcionais dinâmicas, enquanto mantivemos a alocação em cases específicos. No book de moedas, realizamos posições em cross do G7/Latam e no Real com resultado negativo.

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro

O fundo rendeu 0,40% (184% CDI) em junho. No ano, acumula alta de 3,55% (203% CDI).

O mês foi marcado por valorização dos ativos de risco, apesar da ameaça de uma segunda onda do Coronavirus e novos atritos entre EUA e China. O FED manteve a postura cautelosa em relação a atividade em sua decisão, sinalizando juros constantes por período prolongado e reforçando o comprometimento com a compra de ativos, medidas de suporte a liquidez e ao crédito. No âmbito doméstico os ativos acompanharam o movimento externo, enquanto o cenário político local segue conturbado. O Banco Central reduziu novamente a taxa de juros, apresentando cautela e sinalizando pouco espaço adiante para novas flexibilizações.

Mantivemos alocações em juros nominais de curto prazo e em juros reais com resultado positivo. Em bolsa, seguimos com proteções e posições direcionais dinâmicas, enquanto mantivemos a alocação em cases específicos com resultados positivos. No book de moedas, realizamos posições defensivas em cross do G7/Latam e no Real com resultado neutro.

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO CARTA MENSAL Call Economista Call Equities Call Macro